BOLHA IMOBILIÁRIA: O BRASIL ESTÁ VIVENDO ESTE FENÔMENO?

 

Nunca se vendeu tanto imóvel no Brasil como nos últimos cinco anos. A procura por casas e apartamentos por meio de financiamentos é um dos principais negócios da economia nacional. Diante desse avanço no setor imobiliário, muitas pessoas têm se perguntado: Será que o Brasil está vivendo uma bolha imobiliária da mesma forma que Espanha e EUA  viveram?

Diferente do que muitos pensam a expressão “Bolha Imobiliária” não está relacionada ao crescimento do setor de habitação. Na realidade, o fenômeno é um processo ligado à valorização exagerada dos imóveis, acima do equilíbrio do mercado, o que torna necessária a ação estratégica do governo, através de medidas como o aumento das taxas de juros e o bloqueio de créditos e financiamento.


Só no ano passado, 31 mil imóveis foram vendidos em São Paulo mesmo com a elevação no valor dos empreendimentos de mais de 70%. De acordo com a Fundação Instituto de Pesquisas Econômicas (Fipe), o preço dos imóveis cresceu cerca de 80% desde 2008, e em Brasília e no Rio de Janeiro, os preços dos imóveis também tiveram valorização expressiva.

Podemos aprender com os Americanos

A crise Global, que se estende desde 2008, é um exemplo dos efeitos de uma bolha imobiliária. O problema surgiu a partir da quebra do quarto maior banco de investimentos dos Estados Unidos, o Lehman Brothers, que viu suas ações despencar em 95% depois de investir fortemente em títulos ligados a juros fixos e ao crédito imobiliário para pessoas consideradas com alto risco de inadimplência. A bolha estourou e até hoje, três anos depois, o mercado imobiliário  americano não se recuperou.

A preocupação de autoridades e especialistas brasileiros, em relação a possibilidade do  país esta próximo de viver uma bolha imobiliária recai sobre comportamentos irracionais do mercado, como ocorreu nos EUA. O medo é que  os imóveis se supervalorizem e os valores continuem altos por meses e até anos  vindo a cair em seguida – o que ainda não é uma realidade brasileira, mas pode prejudicar o acesso a casa própria e gerar inflação.

Qual o problema de uma bolha imobiliária

“O problema de toda bolha é que ela estoura”! O maior problema de uma bolha imobiliária é que ela pode gerar imenso prejuízo para compradores, bancos e consequentemente investidores. A explosão de uma bolha imobiliária não se resume apenas a esperanças frustradas, mas também a empréstimos não pagos, tomada de imóveis e dividas impagáveis.

Isso ocorre porque o aumento no preço dos imóveis está condicionado a dois fatores básicos, o primeiro deles é o quanto as pessoas estão dispostas a pagar pelo imóvel em questão; e o segundo é o quanto os bancos estão dispostos a emprestar para a compra de tais imóveis.

Os argumentos contra a existência  bolha são que a porcentagem de brasileiros comprando imóveis com dinheiro emprestado do banco é de cerca de 14% e que a regulação do setor imobiliário e bancário brasileiro são bem diferentes do sistema americano. Outro ponto constantemente usado contra a ideia de uma bolha brasileira, é que segundo analistas, o aumento nos preços de imóveis é baseado no aumento da renda dos brasileiros e por isso não caracteriza supervalorização. Você concorda? Acha que os imóveis estão apenas mais valorizados ou seus preços são irreais para o bolso do brasileiro?

Cris Manaia – Colaborador do Nuve(n)Digital e Criador do blog crismanaiatextos

Artigo adaptado por Fábio Santos

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.