JORNAIS POPULARES

 Hoje os jornais populares são um fenômeno no Brasil! Porém, ninguém esperava que a venda desses tablóides se tornassem tão expressivas, desbancando até os grandes veículos de comunicação que há anos estão no topo das tiragens.

R$ 0,25 – 0,50 – R$ 0,60 ou R$ 0,70 centavos… Esses são os preços desses jornais – classificados como “Populares”. Um jornal feito para que todos tenham acesso e direito a leitura; um jornal acessível financeiramente, que chega a residência das famílias que vivem com um salário mínimo. Entre suas características, estão os preços baixos, muitas cores e imagens, linguagem curta e objetiva, publicidades com muitas promoções, prêmios de boa qualidade. Tudo isso são atrativos dos jornais populares.

Seus criadores defendem, também, que o objetivo de se criar um jornal popular era fazer com que eles chegassem às classes C e D que não liam jornais por vários motivos, entre eles, o de não estar economicamente e nem culturalmente preparados. Mas com essa nova versão de jornal vieram também às críticas, e o engraçado é que foram dos próprios profissionais da área (jornalistas), onde diziam que suas diagramações eram “estranhas e confusas”, em contra partida disso seus criadores queriam passar a ideia de que nelas estavam sendo retratados o universo e a realidade (corrida e conturbada) das pessoas que iriam ler.

Mas afinal! O que eles têm que os outros não têm?

Os exemplares populares se tornaram mais baratos porque não necessitam de tamanho investimento, o que não interfere em sua qualidade. São menores, menos páginas, diagramações simples, e por conta de seu “sucesso” atrai mais investidores. Como vende muito, o preço pôde ser reajustado.

Na defesa de sua criação estão características como:

  • Linguagem simples, clara, popular e direta;
  • Acessível (preço) a todas as classes de A/Z;
  • A busca em atender todos os públicos;
  • O aumento no índice de leitura por conta já que o jornal popular vem com uma leitura clara, simples e objetiva;
  • Redução em inúmeras páginas de classificados;
  • Manchetes factuais, com apelo para a cobertura policial e celebridades, que é o que as pessoas gostam de ver;
  •  É repleto de serviços e anúncios de empregos;
  •  Possui seções destinadas aos aposentados e ao leitor que deseja anunciar o seu trabalho;

Levando em consideração os vinte maiores jornais no Brasil, 12 são populares, e destes, são vendidos cerca de um milhão 539 exemplares/dia, eles (populares) são responsáveis por 53% do mercado, enquanto que os jornais tradicionais são de 46,48% é importante ressaltar que na venda em “bancas” esses jornais são campeões absolutos, os leitores estão cada vez mais optando em comprar jornais populares, para se ter uma ideia o índice de vendas dos populares, atualmente chega a ser 10% em cima de suas tiragens, ou seja, tudo!

A Grande diferença entre os impressos (Jornais Populares X Jornais Padrões) são principlamente seus textos e títulos. Enquanto os tradicionais mantém uma linguagem padrão, técnica e culta, os populares vem com uma linguagem popular de duplo sentindo e simples, além de uma diagramação muito coloria e cheia de publicidades. O preço também entra como grande diferença entre os dois, os populares custam cerca de R$ 0,50 centavos, já os tradicionais chegam a custar R$ 2,00 reais.

“Tudo que se cria se copia”! E se tratando de jornais populares não é diferente, afinal os maiores e de grande circulação também já dedicam um exemplar exclusivo para a categoria “POPULAR”.

Wanessa Marçal – Estudante de Jornalismo e Colaboradora do Nuven Digital*

Um Comentário para: “JORNAIS POPULARES

  1. Pingback: Os desafios do jornalismo esportivo |

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.