TRANSPORTE PÚBLICO RUIM OBRIGA BRASILEIRO A COMPRAR CARROS

Podemos dizer que o transporte público soteropolitano não é exatamente um orgulho para Salvador. É caro, desconfortável, relativamente lento e muito pouco eficiente quando se vive nas regiões mais periféricas da capital Baiana e se comparado com outros centros urbanos.  Essa situação ocorre em diversas grandes cidades brasileiras.

Só de imaginar a ideia de pegar um ônibus em Salvador, quem pode (e quem não pode também) corre para uma concessionária e compra um carro ou uma moto. Mas essa não é uma realidade isolada da Bahia.

De acordo com Sindicato Nacional da Indústria de Componentes para Veículos Automotores (Sindipeças), O Brasil hoje tem cerca de 1 carro para cada 6 habitantes, atingindo a marca de 32,4 milhões de carros em todo o país. Certamente, muitas dessas pessoas queriam mais do que um carro novo na garagem. Elas estavam interessadas em se livrar do precário transporte público brasileiro.

E talvez essa seja a raiz do problema.

Embora possa parecer uma teoria de conspiração retirada de um filme tipo B, talvez seja preciso que o Brasileiro faça a si mesmo a seguinte pergunta: Quem teria interesse em ter um carro no Brasil caso o transporte público fosse de qualidade?

Com um transporte público de qualidade, talvez poucas pessoas se interessassem em comprar um carro e ter que lidar com a burocracia estatal, pagar impostos do veículo,  bancar estacionamentos…. enfim, movimentar a economia “tupiniquim”. Existe ainda o dinheiro sagrado do flanelinha da sua rua que vai riscar o carro caso não goste do dono do veículo ou do valor da gorjeta.

A lógica do mercado brasileiro aparentemente é fazer com que o trabalhador sinta a necessidade de comprar um o veículo próprio para evitar as situações bizarras do transporte público como preços altos por um serviço pífio.

Seria um tanto quanto paranóico afirmar que a baixa qualidade no transporte público em Salvador está relacionada com a tentativa proposital do governo de impulsionar a venda de automóveis, mas seria irracional?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.