NÃO PEGUE O POMBO!

Fonte: wikipédia autor: J.M.Garg

Estes animais parecem inofensivos, visitam nossas praças procurando o que comer e são até alimentados por alguns. Muitos os acham bonitinhos.

Os pombos são vistos em grandes quantidades nas praças de Salvador e vivem em contato com a população diariamente. Mas, poucos sabem que essas aves podem ser portadoras de bactérias como a Salmonela, causadora de febre, dores estomacais e até morte.

As transmissões de doenças causadas pelas fezes dos pombos podem ocorrer através de inalação de esporos de fungos localizados nas fezes do animal ou ingestão de alimentos contaminados pelo excremento.

Por isto é essencial o cuidado na compra de frutas e verduras em barracas nas ruas de Salvador e supermercados onde a população consome esses alimentos, que muitas vezes podem estar contaminados.

Outro problema com os pombos são os torpedos.  Como os pombos também são encontrados em grande quantidade andando nas praças, sobrevoando as ruas das cidades e plantações, muitas vezes depositam as fezes em nossas cabeças. Estes desejos muitas vezes provocam micoses  e infecções que muitas vezes podem ser confundidas com meningite, devido à semelhança nos sintomas.

Os principais sintomas de infecção relacionada a fezes de pombos  são: dor de cabeça, rigidez na nuca, tontura e comprometimento ósseo ocular e pulmonar. Além disso, os fungos existentes nas fezes do pombo, podem causar pneumonia, febre ínguas, ulcerações pelo corpo, anemia e sintomas semelhantes com o da gripe.

Por não saber a respeito dos riscos pessoas lidam com essas aves todos os dias sem tomar as devidas precauções. Muitas  distribuem alimentos para pombos nas praças das cidades, quando na verdade é melhor ficar longe desses bichos.

3 Comentários para: “NÃO PEGUE O POMBO!

  1. Bem, não há dúvidas de que qualquer especie de animal que convivem e faz parte do nosso cotidiano, traz muito mas problemas do que beneficio… Infelizmente, até os proprios animais que “cuidamos”, pois estes tem o seu meio, o seu habitat, o que faz se tornarem vulneráveis a tais tipos de donças e infecções quando se encontram fora do seu ciclo habitual. Estamos sempre correndo riscos enquanto a nossa alimentação, ao que se ver, é mais do que necessário nos atentarmos a essas informações, pois, na nossa atual cidade, onde a fiscalização não funciona, o povo não tem educação, instrução e conhecimento suficiente para entender o riscos ao qual estão espostos. No entanto é essencial que os cidadãos busquem se informar, aprender, compreender e cooperar com o dia dia, na luta por uma vida mais saudavel e sustentavel…
    Thadeu Miranda
    Parabéns Ana Lucia, continue levando bastante informação para a nossa população…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

*

Time limit is exhausted. Please reload CAPTCHA.